J.R.R. Tolkien (1892 – 1973)

J.R.R. Tolkien (John Ronald Reuel Tolkien) nasceu em 1892, a 3 de janeiro, em Bloemfontein, na África do Sul e faleceu em 2 de setembro de 1973, em Bournemouth, Hampshire, (Inglaterra).

J.R.R. Tolkien

J.R.R. Tolkien foi um escritor e estudioso britânico obteve renome com a sua obra infantil “O Hobbit” (1937) e com a sua fantasia épica ricamente inventiva “O Senhor dos Anéis” (1954-55).

Aos quatro anos, J.R.R. Tolkien, depois que o seu pai, Arthur Tolkien, um administrador de um banco, morreu na África do Sul, vítima de febre reumática, foi residir para próximo de Birmingham, na Inglaterra, com a sua mãe e o irmão mais novo.

Em 1900 a sua mãe tornou-se católica, uma fé que seu filho mais velho também praticava devotadamente.

Aquando da sua morte, quatro anos depois, os seus filhos ficaram ao cuidado de um padre católico.

Quatro anos depois, J.R.R. Tolkien apaixonou-se por outra órfã, Edith Bratt, que suscitaria o seu personagem fictício Lúthien Tinúviel.

O seu tutor, no entanto, desaprovou a relação.

Apenas no seu 21º aniversário J.R.R. Tolkien poderia pedir a Edith em casamento.

Entretanto, estudou na King Edward’s School, em Birmingham e no Exeter College, Oxford.

Participou na Primeira Guerra Mundial e sobreviveu à Batalha do Somme.

Tolkien
Tolkien participou na Batalha de Somme

Depois do Armistício, em 1918, esteve empenhado no projeto do The Oxford English Dictionary (então chamado The New English Dictionary).

Durante a maior parte de sua vida adulta leccionou inglês e literatura.

Especializou-se em inglês antigo e médio, nas Universidades de Leeds (1920-25) e Oxford (1925-59).

Muitas vezes ocupado com trabalhos académicos e também atuando como examinador de outras universidades, ele criou muito poucas publicações, mas preponderantes.

J.R.R. Tolkien traduziu uma versão de “Beowulf” em 1926. Essa tradução foi publicada após a sua morte, juntamente com as palestras que ele tinha dado sobre o assunto nas suas aulas.

J.R.R. Tolkien escreveu uma organizada série de contos fantásticos, muitas vezes obscuros e aflitivos, ambientados num mundo criado por ele.

Concebeu “O Silmarillion” em parte para harmonizar um cenário em que as línguas “elfíquas” que ele tinha criado pudessem existir.

Mas seus contos de Arda e Terra-Média também cresceram a partir de um anseio de contar muitas histórias, influenciado pelo seu amor por mitos e lendas.

Para entreter os quatro filhos, gerou uma história mais leve, animada e com tendências caricatas.

A mais importante dessas histórias, iniciada por volta dos anos 30, do século passado, foi “O Hobbit”.

Uma das primeiras versões de “O Hobbit”

Conta a história de um “hobbit” amante do bem-estar (um parente menor do Homem) que se junta a uma busca pelo tesouro de um dragão.

Em 1937 foi publicado “O Hobbit”, que teve tanto sucesso que sua editora pediu uma sequela.

17 anos depois, foi publicada a obra-prima de J.R.R. Tolkien, “O Senhor dos Anéis”, uma versão contemporânea do épico heróico.

Alguns elementos de “O Hobbit”, tal como um anel mágico, transitou para esta sequência. O qual deve ser destruído antes que possa ser usado pelo terrível Dark Lord, Sauron, para governar o mundo.

Mas “O Senhor dos Anéis” é também uma ampliação das narrativas “O Silmarillion” de J.R.R. Tolkien, que deram a esta nova obra uma “história” na qual Anões, Orcs, Elfos e Homens já estavam estabelecidos.

“O Hobbit” , Versão Portuguesa

O Senhor dos Anéis não foi escrito propositadamente para crianças, nem é uma trilogia, embora seja frequentemente generalizado em três partes: “A Irmandade do Anel”, “As Duas Torres” e “O Regresso do Rei”.

A obra foi dividida originalmente por causa do seu grande volume e para reduzir o risco caso o editor não conseguisse vender.

Na verdade, revelou-se imensamente popular.

Na publicação em livro de bolso, nos Estados Unidos, no ano de 1965, alcançou a posição de “livro de culto” nos campus universitários.

Apesar de certos críticos o desconceituarem, várias sondagens desde 1996 nomearam “ O Senhor dos Anéis” o melhor livro do século XX.

Vendeu mais de 50 milhões de cópias, em cerca de 30 línguas.

A versão cinematográfica de “O Senhor dos Anéis”, do realizador Peter Jackson, foi um sucesso mundial.

Poster do filme de Peter Jackson

O realizador adaptou também “O Hobbit” como uma trilogia composta pelos filmes “Uma Viagem Inesperada” (2012), “A Desolação de Smaug” (2013) e “A Batalha dos Cinco Exércitos” (2014).

No ano de 2004, a redacção de “O Senhor dos Anéis” foi cuidadosamente rectificada para uma edição especial do 50º aniversário.

Durante a sua vida, Tolkien, escreveu várias obras mais curtas.

J.R.R. Tolkien, na sua velhice, não conseguiu concluir “O Silmarillion”, a prequela de “O Senhor dos Anéis”.

Deixou-a a Christopher, o seu filho mais novo, para edição e publicação (1977).

A análise posterior dos trabalhos do seu pai, levou Christopher a produzir “Contos Inacabados de Númenor e da Terra Média” (1980); “ A História da Terra Média” em 12 volumes (1983-96).

Christopher Tolkien também publicou “Beren e Lúthien” (2017), centrado no romance entre um homem e um elfo.

Esse livro foi inspirado na relação de Tolkien com sua esposa; o livro contém várias versões da história, incluindo a versão original que foi escrita em 1917.

Entre outras obras póstumas de Tolkien estão “ Cartas ao Pai Natal”, as histórias infantis “Mr. Bliss” (1982) e “Roverandom” (1998).

Campa de J.R.R. Tolkien

Tolkien encontra-se sepultado no Cemitério de Wolvercote, Oxford, Reino Unido.

Clique aqui para aceder à bibliografia de J.R.R. Tolkien

Deixe uma resposta